Notícias

22.06.2021

Prematuros Luísa e Lucca

"Estávamos esperando ansiosos pelos nossos primeiros filhos, nosso casal de gêmeos. A gravidez corria muito bem, me alimentava adequadamente e tomava todos os cuidados necessários. Porém, com quase 25 semanas de gestação recorri ao hospital, pois estava com constante contrações. Ao realizar a consulta médica foi identificado que não se tratava de contrações de treinamento e sim contrações de pré-parto.

Fiquei internada por quatro dias, tomando fortes medicamentos para tentar segurar, contudo, no dia 27 de fevereiro de 2020 nossos bebês precisaram nascer, com 25 semanas e 3 dias. Durante a cesária perceberam que a minha oxigenação não estava boa, então acabei sendo direcionada à UTI e nossos pequenos também foram para a UTI Neonatal e pediátrica. Nossa menina nasceu com 760gr e nosso menino com 812gr, eram muito pequenos e extremamente frágeis. Luísa, nossa pequena apesar de nascer e logo precisar ser entubada sempre se saiu melhor que o irmão, pois apesar de ficar quase três meses na UTI para ganhar peso e aprender a respirar sozinha precisou somente de transfusão de sangue devido a uma anemia e tratar uma leve infecção que com antibióticos logo curou.

Seu irmão Lucca nasceu com infecção (que possivelmente pegou devido a minha pneumonia que até antes da cesária não sabíamos, pois não tinha nenhum sintoma) teve também hemorragia grau 2, precisou com 13 dias de vida se submeter a uma cirurgia cardíaca para fechar uma veia que liga ao coração, fez uma cirurgia de hérnia no saco escrotal, recebeu inúmeras transfusões de sangue, teve inúmeras apnéias e descobriu-se um forte refluxo e alergia a proteína do leite de vaca (APLV). Também demorou muito para sair da entubação, demorou para sair do CPAP e também demorou para sair do catéter, ou seja, quatro dias antes de receber alta da UTI começou a respirar sozinho! Que vitória!

Estávamos receosos que ele viesse para casa com oxigênio domiciliar. Lucca ficou quase quatro meses na UTI, sua irmã Luísa já estava em casa conosco e precisava me dividir entre mamadas e atenção para ela e mamadas e atenção para ele no hospital. Dias depois Luísa foi internada novamente para poder ficar no quarto com o irmão que ganhava alta da UTI. Quando pensávamos que tudo estava se estabilizando, outra preocupação, nosso Lucca reprovou no teste da orelhinha e precisávamos posteriormente investigar esta situação.

No dia em que completaram exatamente quatro meses ambos ganharam alta hospitalar! Foi uma grande alegria e emoção em nos despedir na primeira "casa" dos nossos grandes guerreiros. Hoje com seis meses de idade cronológica e quase três meses de idade corrigida, estão bem na graça de Deus!

Lucca passou por vários exames e realmente foi comprovado que teve uma perda auditiva devido a grande quantidade de medicamentos ototóxicos que precisou tomar, escutando assim somente sons muito alto. Hoje está com aparelho auditivo e estamos na torcida para que se adapte bem e tenha uma vida cheia de saúde e oportunidades, como também desejamos para nossa princesa Luísa. Esperamos que nossa "pequena" história traga força e fé para outros papais que lutam pelos seus filhos prematuros. Que Deus e Nossa Senhora continuem protegendo nossos pequenos!"

(Relato da mamãe Jéssica, enviado em 2020)

Compartilhe esta história

Histórias Reais

Veja histórias por:

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no universo da prematuridade.