Notícias

03.03.2020

Meu guerreiro Davi

"Em janeiro de 2018, descobri a gestação. Foi uma mistura de sentimentos, já que sempre foi meu sonho ser mãe, porém eu era bem nova. No começo, tudo parecia correr bem, mas na 3ª ecografia fui diagnosticada com trombofilia. O meu filho tinha restrição de crescimento, ele não estava crescendo e nem engordando como precisava, e as veias da minha placenta estava cada vez mais resistentes.

Começamos a acompanhar toda semana com ecografias e Doppler. Com 26 semanas, tomei as doses de corticoide para amadurecer o pulmão do Davi, já que sabíamos que ele seria um bebê prematuro. Com apenas 32 semanas de gestação, comecei sentir contrações e fui internada na maternidade. No dia 19 de julho, fiz a cardiotoque e já estava com contrações de 5 em 5 minutos. Na manhã seguinte, dia 20, fiz uma ecografia e o resultado já não foi dos melhores: Davi estava entrando em sofrimento e estava tendo momentos de diástole zero. Sendo assim, o obstetra de plantão decidiu intervir o quanto antes, pois o meu ventre já não era o melhor lugar para o bebê estar.

Davi nasceu às 11:16 do dia 20/07/2018, pesando 1,255kg e 39cm. Foram 72 dias de UTI neonatal, com cirurgias, transfusão de sangue, cateteres e tantos outros sofrimentos. Graças a Deus, o meu pequeno guerreiro venceu todas as lutas e hoje é um bebê muito saudável, cada dia mais lindo e amado!"

(relato da mamãe Dhana Caroline dos Santos, enviado em 2019)

Compartilhe esta história

Histórias Reais

Veja histórias por:

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no universo da prematuridade.