• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Pesquisa revela que asma materna está relacionada a parto prematuro

13/07/2011


     Mulheres com asma mal tratada têm mais chance de parto prematuro ou de ter um bebê pequeno, um estudo de revisão sugere.


     Especialistas na Austrália e nos EUA também encontraram uma ligação da asma com outras complicações, incluindo a pré-eclâmpsia. Eles dizem que as mulheres com asma devem ser monitoradas pelo menos uma vez ao mês durante a gravidez.

     Uma instituição de caridade relacionada à asma disse ainda que as gestantes também deve ter uma dieta balanceada e não fumar.


     Os pesquisadores analisaram estudos relacionados à asma envolvendo mais de um milhão de mulheres grávidas, publicados entre 1975 e 2009. Eles descobriram que mulheres com asma deram à luz bebês com uma média de 93g a menos que os bebês de mães que não apresentavam asma.


     O fato de ter asma aumentou o risco materno para pré-eclâmpsia em pelo menos 50%, enquanto o risco de parto prematuro aumentou cerca de 25%.

     Co-pesquisador Peter Gibson, do Centro de Asma e Doenças Respiratórias da Universidade de Newcastle e Hunter Medical Research Institute, em Newcastle, Austrália, disse: "Algumas das complicações relatadas podem ser minimizados por estratégias eficazes de tratamento da asma e é importante que este grupo de mulheres e seus bebês em desenvolvimento sejam monitorados regularmente."

     Medicamentos para asma em si parecem não ter efeitos diretos sobre a mãe ou o bebê durante a gravidez, dizem os especialistas no estudo, publicado na revista BJOG ( um periódico internacional de obstetrícia e ginecologia).

     O editor-chefe da revista, Professor Philip Steer, disse que a mensagem principal para as mulheres grávidas com asma era para que elas tenham certeza que seus sintomas sejam tratados corretamente. Ele diz: "É importante otimizar o tratamento para reduzir o risco de um nascimento prematuro ou um bebê pequeno."

     Comentando o estudo, Leanne Metcalf, Diretora Adjunta de Pesquisa da Asma no Reino Unido, disse que esses resultados vão ajudar a tornar os profissionais de saúde mais conscientes da importância do controle eficaz da asma durante a gravidez.


     "Nós encorajamos as mulheres grávidas que têm asma a serem monitoradas regularmente durante a gravidez e é crucial que os médicos sejam solidários às suas preocupações e fornecer apoio e aconselhamento necessários. Também é importante que todos as futuras mamães tenham uma dieta saudável e balanceada e não fumem durante a gravidez para dar ao seu bebê a chance de uma infância saudável."



Fonte: www.bbc.co.uk (por Helen Briggs, em 12/07/11)


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se