• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Após morte de bebê, mãe faz campanha para ajudar famílias carentes: 'transformando dor em amor'

07/06/2019 Mãe arrecadará alimentos e roupas durante 66 dias, tempo em que Felipe ficou vivo depois de nascer prematuro.

A moradora de Palmas Luana Paula Feitosa, de 25 anos, decidiu fazer uma campanha para transformar a dor da perda de um filho em força para ajudar outras famílias. No ano passado, o bebê Felipe nasceu prematuro, teve uma série de complicações e ficou vivo por apenas 66 dias. Para ajudar a superar a perda, Luana teve a ideia de arrecadar alimentos, roupas e calçados que serão destinados a famílias carentes. A campanha vai durar 66 dias em alusão ao tempo em que o bebê permaneceu com vida.

Era 17 de agosto do ano passado, Luana estava com 29 semanas de gravidez e deu entrada no hospital com uma forte infecção de urina. Felipe nasceu prematuro de parto normal, ficou cinco minutos sem respirar, mas sobreviveu e foi levado para a UTI.

"Ele teve todas as complicações de um bebê prematuro, hidrocefalia, infecção na cabeça, problema pulmão, queda de plaquetas. Foi uma complicação atrás da outra, até que veio a óbito", contou a mãe.

A morte de Felipe deixou toda a família abalada. Ele precisava fazer uma cirurgia, mas não foi possível devido ao quadro clínico. Depois da morte, veio a dor em conviver com a ausência de quem era tão esperado.

Luana conta que para ajudar na superação, teve a ideia de fazer a campanha. As arrecadações já começaram, mas o lançamento oficial será no dia 13 deste mês. A ideia é incentivar doações de alimentos e roupas durante 66 dias. A campanha terminará no dia 17 de agosto, data que fará um ano do nascimento de Felipe. As informações sobre o projeto serão divulgadas nas redes sociais. A página oficial é @parasemprelipe e aqui a Vakinha online.

"Mexe muito comigo, dói bastante porque acabo revivendo os momentos, mas ajudando outras pessoas vamos conseguir superar. Quando você passa por algo assim, não consegue ser a mesma pessoa, mas estamos conseguindo transformar a dor em amor. É o que estamos fazendo a cada dia", completou ela.

Fonte: G1 (notícia original publicada em 02/06/19).
(Fotos: Arquivo Pessoal)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se