• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Acordando com Emanuelle

11/06/2021 PicsArt_05-19-12.34.12.jpg

“No dia 02/11/2018 (finados) estávamos em casa tranquilos eu e meu marido, recebemos a visita da minha sogra e minhas duas cunhadas, o dia foi legal porém eu não me sentia bem, estava mais calada, quando a noite chegou, tomei um banho e deitei para descansar, então comecei a sentir fortes dores baixo ventre e contração de três minutos, corri para a maternidade, recebi a notícia de que teria que ficar internada pois estava com 1,5cm de dilatação, foram 3 longos dias internada, várias doses de remédios na veia.

Ganhei alta no dia 05/11/2018 (segunda-feira), nos outros dias, eu era "um travesseiro" não podia sair da cama, era somente repouso, repouso e mais repouso. Na madrugada do dia 26/11/2018, eram umas 5h30, senti muita contração, fui para o banho morno e lá fiquei por 1 hora, era tanta dor que eu nem havia visto passar, voltei para meu quarto, cheguei na porta e veio aquela contração que acaba com as forças, chamei meu esposo recebi toda a atenção dele, deitei na nossa cama e o tampão saiu juntamente com muito sangue.

Novamente e agora com a certeza de que conheceria o amor da minha vida, fui para a maternidade (meu esposo foi para o trabalho, estava no 4° dia de contrato), chegando lá, estava perdendo todo o meu sangue corporal, no mesmo instante fui atendida, disseram que era apenas mudança do colo do útero que estava tudo bem, me baixaram no centro obstétrico e fiquei lá desesperada chorando, sentindo muitas dores, contrações de 1 minuto ininterrupto.

Às 7h30 a obstetra Ana (meu amor) chegou (por Glória Divina), e como me ouviu chorando foi me atender. Ela não acreditou no que haviam me dito ser somente mudança de lugar, eu estava perdendo minha filha. Foi um choque para mim quando ela disse que minha bebê estava sem se alimentar já e estava nadando em sangue, pois estava eu com hemorragia interna. Correu comigo para a sala de cirurgia e fizeram todos os procedimentos para uma Cesárea de Emergência com Risco.

Minha mãe assistiu o meu parto, foi lindo, tortuoso mas lindo. Minha filha veio ao mundo com 1,920kg, 43cm, era muito pequenina. Neste dia eu a vi por 1 minuto, deu somente para ver ela e como era linda. Levaram-a correndo para a UTI Neonatal para tomar os devidos cuidados com ela. E eu, voltei para o C.O até ter um quarto livre, ao passar 5h30 da minha cirurgia (as 11h30 mais precisamente), senti fortes dores de novo, chamei por ajuda, e novamente hemorragia interna. Voltei para a sala de cirurgia e fizemos de novo todos os procedimentos, fui ver a minha princesinha somente no outro dia (27/11) a partir das 15h.

Entrei na UTI, louca de saudade, queria muito tocar nela, sentir ela, ver ela. E foi só o que eu pude fazer, ver ela, pois ela estava tomando banho de luz, com sonda e todos aqueles aparelhos que deixam os pais nervosos e com medo. Ficamos lá durante 17 dias, eu não tirava o pé de perto dela (somente nas trocas de plantão que era obrigado), foi um alívio para mim quando disseram que ela iria dar alta. Hoje, graças a Deus, meu bebê já está com 6 meses, 6,200kg, 69cm, é linda, é esperta, é tudo o que sempre pedi a Deus. Obrigada por lerem (quem leu). É bom sentir que alguém passou por coisas parecidas, é bom trocar relatos, assim vemos que todos superamos. Uma ótima vida!”

(Relato da mamãe Stefani, enviado em 2019)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se