• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

“Dá para fazer a diferença na vida das pessoas sem recursos”, afirma a vice-diretora da ONG Prematuridade.com Aline Hennemann

23/09/2020 Segundo dia da Semana da Responsabilidade Social debate o papel das ONG’s.

O papel das organizações não-governamentais foi o tema do segundo dia da Semana da Responsabilidade Social da UniRitter nesta terça-feira, 22 de setembro, com a presença da ONG Prematuridade.com. A live no Instagram da UniRitter foi mediada pelo professor Tiago Paiva e contou com a presença da vice-diretora executiva da entidade, enfermeira e professora Aline Hennemann. Confira aqui na íntegra.

A professora do curso de enfermagem explicou o modo de trabalho da ONG com ações para auxiliar famílias com bebês prematuros. O impulso da criação da entidade foi movido pelo fato do Brasil ser o 10° no ranking de nascimento de bebês prematuros. Neste ano, o projeto completou seis anos e possui 90 voluntários em todo o Brasil.

A Prematuridade.com trabalha a partir de projetos, principalmente com foco no cuidado psicológico das famílias que possuem um bebê prematuro. Aline aponta que estudos mostram que os pais de um bebê que se encontra internado na UTI neonatal são comparados a soldados que foram para guerra, devido as fortes emoções que eles vivenciam.

“Questão do dia a dia a gente fala que dentro da UTI neonatal ele passa por uma montanha-russa”, afirma a professora sobre a vivência da instabilidade de um bebê prematuro na UTI. “Essa melhora e essa piora do bebê, a mãe e o pai vivem junto”, ressalta.

Ainda no assunto UTI, a vice-diretora da ONG comentou sobre o procedimento da entrada da UTI durante a pandemia do novo coronavírus. Ela explicou que antes os pais eram a prioridade dentro da UTI neonatal, e agora com a Covid-19 os pais e mães acabam afastados dos bebês devido aos cuidados e isso torna a recuperação da criança mais difícil.

Licença-Maternidade

A professora Aline também abordou o projeto de lei que amplia a licença maternidade para mães de bebês prematuros. Muitas mulheres desconhecem, mas com a liminar deferida pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, a licença maternidade só começaria a contar após a alta do bebê.

Para Aline, essa decisão é fundamental, pois a permanência da mãe e do pai com o recém nascido é essencial, ainda mais nos casos de prematuros. O que acontecia antes dessa liminar é que muitas mães ou abandonavam o mercado de trabalho para cuidar dos seus filhos ou ficavam afastadas dos bebês que ficavam aos cuidados de instituições ou de terceiros.

A licença-maternidade para mães de prematuros pode ser solicitada direto na empresa sem precisar entrar com processo jurídico. A ONG também auxilia nos documentos necessários para a solicitação, basta entrar em contato pelas redes sociais e solicitar o auxílio nesta questão.

No encerramento do bate-papo, Aline abordou o que seria necessário para ser um voluntário em algum projeto social, ou até mesmo na Prematuridade.com. Para ela apenas a vontade de querer fazer o mundo diferente seria o necessário, que basta desejar e fazer nem que seja um pouco, que isso já mudaria a sua vida e de outra pessoa.

A professora sempre acreditou que “dá pra fazer a diferença na vida das pessoas sem recursos”, citou alguns exemplos de como fazer pouco, mas que mude a vida das pessoas e faça a diferença para elas. “Para ser voluntário não precisa ter dinheiro, precisa ter tempo”, afirmou Aline.

A enfermeira e professora da UniRitter aproveitou o momento para agradecer aos alunos da instituição que se voluntariaram na ONG e hoje desenvolvem projetos dentro da organização. Durante o bate-papo, alguns espectadores da live entraram em contato para se voluntariar no Prematuridade.com.

A Semana da Responsabilidade Social continua de forma online debatendo assuntos sociais com participação dos alunos e professor vinculados aos Projetos de Extensão da UniRitter. A programação completa pode ser acessada clicando aqui.

(Fonte: FACS UniRitter
Texto: Aldrey Dornelles
Imagem: Reprodução)



Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se