• Parceiros oficiais:
  • Efcni
  • March of Dimes
Arraste para navegar

Alergia à Proteína do Leite

dairy

A alergia à proteína do leite de vaca, chamada de ALPV, vem sendo um diagnóstico cada vez mais recorrente em bebês prematuros.

Ao nascerem, os prematurinhos, assim como todos os bebês a termos, costumam apresentar um intestino mais sensível, pois ele ainda está em processo de amadurecimento.

Ao ingerirem essa proteína de digestibilidade mais difícil, vinda através do leite materno ou de fórmula láctea utilizada, podem vir a apresentar alguns sintomas como, diarreia, prisão de ventre, irritabilidade, regurgitações mais frequentes e vômitos por exemplo que pode se desenvolver devido a imaturidade ou devido a APLV.

No caso do APLV existem alguns outros possíveis sintomas presentes, como assaduras na pele, perda de peso e chiado. Nem todos os sintomas estão presentes no caso de APLV, por isso, o diagnóstico realizado de maneira correta é tão importante.

O diagnóstico para essa descoberta é realizado através da observação desses sintomas e com o processo de exclusão total da proteína de leite da dieta do bebê por um período de aproximadamente 4 semanas e realizando o teste de provocação oral (TPO) após este prazo, observando qual será a reação do bebê e poder fechar o diagnóstico.

Este processo de descoberta do diagnóstico deve ser sempre realizado sob supervisão e orientação da sua equipe médica.

O tratamento da APLV segue na exclusão da proteína do leite de vaca. As mamães que amamentam devem seguir esta dieta, de forma adequada e equilibrada para manter oferta calórica para produção de leite materno, assim como oferta nutricional adequada para o leite materno e para mãe, sendo ideal ajustar de forma correta a alimentação e suplementação, que muitas vezes se faz necessária, de nutrientes que podem ficar inadequados neste tipo de dieta restritiva.

Vale ressaltar que muitos bebês com um ou mais dos sintomas citados acima apresentam os mesmos devido a imaturidade do trato gastrointestinal, não devendo manter uma alimentação restritiva nesses casos. Por isso é tão importante o diagnóstico ser realizado de uma maneira eficaz.


  • TAGS

Tem um bebê
prematuro?

Preencha nossos cadastro e ajude
a direcionar as ações da nossa ONG

Cadastre-se