Notícias

11.06.2021

Benjamin Filho da Minha Felicidade

"Há um ano, 2 meses e 2 semanas conheci um novo sentido da vida, fortifiquei mais minha fé, descobri um amor maior do mundo, me tornei mãe. Quando pensava que tudo estava perdido, onde a medicina tinha dado só 5% de chance de fertilidade para meu esposo. Me vi de repente grávida depois de treze anos de casada.

Confesso que demorei para acreditar, depois de incontáveis alarmes falsos, curti muito cada momento da gravidez, mês a mês, a barriga crescendo, o corpo modificando e até os enjôos. Foi um momento mágico e único em minha vida, então quando chegou dia 23 de fevereiro de 2018 fiz uma doppler de rotina e a médica atestou a diminuição do líquido amniótico, fiquei internada, hidratando, em repouso absoluto para que o líquido aumentasse para que ele ficasse mais tempo na barriga.

No dia 28 senti menos movimentos dele na barriga, corri para a maternidade, lá fiquei internada, solicitaram outra doppler, que atestou que o líquido chegou a zero, resultado cesárea de emergência. As 23:44 do dia 28 de fevereiro Benjamin veio ao mundo, ouvi seu primeiro chorinho, vi seu rostinho, na sala de observação ficou três horas para ver se conseguiria respirar sozinho, mas infelizmente não conseguiu e teve que entrar na UTI com dificuldades de respirar.

Então iniciava uma jornada de 27 dias na UTI neo, foi entubado, usou cpap, hood, ficou em uci. No dia 16/02/18 ia ganhar alta, fui ao banco de leite retirar leite para ele, quando voltei me deparei com meu esposo, enfermeiros e médicos em volta dele, a saturação caindo, tinha broncoaspirado leite, voltou para a UTI. Ficou no cpap, tiveram que conter ele pois todo tempo tirava o cpap e a saturação caía.

Foi o pior momento da minha vida, broncoaspirou leite e virou pneumonia, entrou no antibiótico por 10 dias, depois de 2 dias colocaram ele na uci com hood, depois foi para o oxigênio circular. Então voltamos a estimular a amamentação, mas pedi para a fonoaudióloga que não queria dar leite no copinho, pois ele tinha broncoaspirado e morria de medo. No dia 27/02/18 ganhamos alta, então começava uma jornada cheia de desafios para uma mãe de primeira viagem, o médico atestou que ele tinha refluxo oculto, não conseguia ganhar peso, pois esforçava muito pra mamar, teve ir para formúla junto com o peito. Teve alergia à proteína do leite de vaca, mas para glória de Deus superou, hoje com 12 meses e 2 meses de vida só tenho a agradecer a Deus pela vida e saúde do nosso coraçãozinho.

Está com 11 quilos e 79cm, está engatinhando por tudo e consegue ficar de pé. Faz acompanhamento pelo follow up com a maravilhosa Doutora Ana Carolina que o acompanha desde a UTI neo, fisioterapeuta e terapia ocupacional. Gratidão a Deus!"

(Relato da mamãe Gisele, enviado em 2019)

Compartilhe esta história

Histórias Reais

Veja histórias por:

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no universo da prematuridade.